Tema para junho: heroísmo

“E foi num desses dias que se concretizou o destino de Aquiles. Chefiando os gregos contra os troianos, estava ele a lutar junto às portas Céias onde Páris, evitando sempre os perigos da batalha, estava escondido. Quando viu Aquiles ao alcance do seu arco, atirou-lhe uma flecha. Nunca antes tivera um alvo tão perfeito e Aquiles, que Páris nunca ousaria enfrentar, caiu morto. E, assim, o maior guerreiro de todos foi abatido por um homem de pouca coragem e nenhum valor.”

Homero in Ilíada, capítulo 34

“Apoiada, a coragem nasce até mesmo naqueles que são muito cobardes.”

– Homero

Prazos de submissão dos textos

No primeiro mês de verão, vamos criar, analisar ou destruir um herói, tenha ele super-poderes ou seja apenas um humano comum.
Como este tema foi divulgado apenas no dia 21 de Junho o prazo limite para submissão dos textos é agora – apenas desta vez – até dia 21 de Julho.

Após isso, o CPR volta a publicar os novos temas no início de cada mês. 🙂

À noite todos os gatos são pardos

Tinha jantado sozinha mais uma vez. Sentada no sofá, olhava para o livro sem o ver. As letras eram pequenos montes de tinta negra na página branca. Tentara tirar um sentido do parágrafo que estava a ler mas nada surgia no seu cérebro vazio. Algo tinha de mudar. Cada vez eram mais frequentes aqueles momentos de alienação quase completa. Momentos que acabavam num estado de puro pânico. Pânico de morrer sozinha. Depois de voltar a si, convencia-se que estava a ser dramática, mas a verdade é que algo tinha de mudar. Continuar a ler

Terra perdida

– Tudo isto – a vida, o mundo, as pessoas que nascem e que morrem – é circular. Está tudo interligado e há uma razão para qualquer acontecimento, por mais insignificante que pareça. E todos temos um propósito para cada momento. Podes procura-lo e concretiza-lo conscientemente, ou podes tentar fugir-lhe. Mas ele vai sempre alcançar-te. Estares aqui não é um privilégio puro. Para tu seres tu, teve de haver um equilíbrio e alguém teve de deixar espaço livre para ti. Continuar a ler

The Tale of Ragnar’s Sons

In Sigurd’s snake eye one could see
back to when his father, the king
drew his last breath
and this Earth he left
with a riddle of death:

“How the little piggies will grunt
when they hear how the old boar suffered”
said he
Words mistaken for those of an old fool
for an old fool he taught himself to be
but how could a fool’s last words affront
the high lords of the rich lands across the sea? Continuar a ler