Sustos De Novembro

A minha filha chora enquanto o irmão tenta fazer uma cara de forte, sabendo eu que está cheio de medo e deserto para se enroscar em casa, onde os monstro se não lhe chegam.

De repente, oiço alguém a chamar o meu nome e um carro a apitar.

– Papá! Papá! Já estou pronto! Podemos ir! – diz o Francisco a correr pelas escadas abaixo, vestido de Frankenstein, com uma abóbora como balde de doces.

– Calma rapaz, vamos já! – digo eu calmamente, enquanto agarro uma princesa da Disney pela mão e  ponho uma máscara de diabo que a Ana me achou numa loja qualquer, enquanto comprava os fatos de Halloween dos miúdos.

A turma do Francisco decidiu que esta ano iam pedir o “Doce ou Travessura” na noite de Halloween.

E lá vamos os três, rua abaixo, porta a porta, a pedir doces e a assustar os amigos dos meus filhos que de nós se aproximam.

– Posso comer um doce, Papá? – diz a Rita, por baixo da sua coroa de Elsa do “Frozen”.

Eu digo-lhe que sim, segundos antes de ambos se porem a correr pela estrada abaixo, até os ver a alcançar o átrio da igreja.

Ouvem-se gritos, choros. Olho em volta e vejo crianças da idade dos meus filhos a correr de volta aos colos dos pais e mães que os acompanhavam.

– Rita! Francisco! – grito eu desamparado, preocupado com o que pode ou não ter acontecido.

– Papá! Um monstro!

Ao longe, dois olhos amarelos olham para nós, destacando-se no escuro, enquanto se ouvem sons de ventos fortes.

– Um fantasma! – gritam as crianças.

Famílias correm rua acima, crianças choram.

A minha filha chora enquanto o irmão tenta fazer uma cara de forte, sabendo eu que está cheio de medo e deserto para se enroscar em casa, onde os monstro se não lhe chegam.

De repente, oiço alguém a chamar o meu nome e um carro a apitar.

– Pedro! Sou só eu!

Ao voltar-me para trás, vejo a Ana, a rir ás gargalhadas.

– Mamã! Eras o monstro! –  Diz a Rita, se bem que ainda a chorar, enquanto corre para se abraçar á mãe.

– Acho que ganhaste o prémio de melhor disfarce. – Ouve-se a voz pequenina do meu herói, do único que não correu para os meus braços e se fez de forte.

– Também acho que sim! – Digo eu, enquanto coloco os miúdos no carro, de volta a casa, envoltos de riso e dos sustos que mostram às crianças o verdadeiro sentido do Halloween.

Anúncios

Publicado por

beatriznasco93

Portuguese in London. Collab Writer at The Huffington Post. Blogger at www.lemonpassport.com

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s