O Amor chegou mascarado

Sem entrar em mais detalhes, a reunião foi um fiasco, um fracasso, não disse nada, mas rigorosamente nada do que planeie, do que ensaiei. Gaguejei, corei, perdi o raciocínio vezes sem conta, senti-me uma liceal, tonta, infantil… E para terminar em beleza ainda tropecei no tapete e valeu-me os rápidos reflexos do Dr. Bettencourt, bem, do João, que me segurou nos seus braços.

Nunca fui muito romântica, nunca sonhei com o príncipe encantado, nunca achei que precisava de alguém ao meu lado para ser completamente feliz! Sempre pensei que iria conhecer alguém, que iria gostar de estar com essa pessoa, de ir ao cinema, de viajar, de experimentar restaurantes, que intelectualmente me estimularia, que me daria pica, mas as borboletas na barriga, as horas passadas a sonhar com esse alguém, as insónias, a incapacidade em articular um discurso coerente, a infantilidade de corar de cada vez que ele para mim fala, isso tudo pensei que fosse conversa de folhetim, coisas de miúdas tolas e insípidas, no entanto enganei-me redondamente! É o tal do preconceito, não podemos achar que por nos conhecermos muito bem que estamos sempre controladas e que controlamos tudo na nossa vida. É que a vida é muito esperta e por vezes matreira, prega-nos partidas, traz-nos atalhos e por muito que nos zanguemos com ela naquele momento, um dia mais tarde, iremos perceber que ela não foi madrasta, que a vida nos deu o melhor. É preciso maturidade, é preciso conseguirmos ver e sentir o essencial, vermos com os olhos do coração, não com a razão, não com os olhos dos outros.

Vou contar-vos sem quaisquer floreados o que me aconteceu naquele dia 3 de Setembro de 2011, no qual todas as minhas certezas se esvaneceram.

Saí de casa para mais um dia normal de trabalho, cujo ponto alto seria a reunião com aquele possível cliente. O ano não nos estava a correr bem, daí todos no escritório estarem a depositar as suas esperanças naquela conquista. Sentia o peso da responsabilidade nas costas, por isso tinha-me preparado muito, muita investigação, muito trabalho de casa, muito treino e claro, muita confiança nas minhas competências. Todos tinham os olhos postos em mim. E naquele dia arranjei-me particularmente bem, cabelo esticado, maquilhagem top e a roupa certa, que revelava o melhor de mim, mas não de uma forma abusiva, daquela forma que os deixa a querer descobrir mais! Sim, tudo ia correr bem!

Pelas 16h30m apanhei um táxi à porta do escritório, eu sabia que todos estavam na janela a espreitar-me, a enviar a energia positiva, eu protagonizava a esperança em pessoa, eu tinha de conseguir aquele cliente.

Todos diziam não ser pessoa fácil, exigente, por vezes irascível, todos os escritórios o queriam representar, mas por outro lado ninguém estava para aturar aquele tipo. Bom, isso não me assustava, eu também não sou fácil, não sou de trato fácil, sou exigente, sou mal disposta e rezingona. Ele não me mete medo, vou com tudo o que tenho e ele não vai ter como não aceitar a nossa, a minha proposta.

Quando cheguei ao 13º andar (13, o meu número da sorte, ou não tivesse nascido a uma 6ªf 13) fiquei deveras impressionada, encontrei uma decoração minimalista, quase nórdica, branco, cinza e algum preto habitavam pelo open space. Anuncie-me à recepcionista elegante e casualmente vestida de branco, claro! Ao fundo um homem jovem, moreno, de calças de ganga e camisa branca chamou o meu nome. Olhei para a Karen, assim se chama a recepcionista, à procura da confirmação que quem me chamava era o famoso Dr. Bettencourt.

Ela anuiu positivamente e eu o mais confiante possível dirigir-me ao Dr. Bettencourt.

– Mel, bem-vinda! – Disse em tom divertido enquanto me saudava com um aperto de mão.

Imediatamente me senti ruborescer, não estava à espera de alguém tão jovem, tão bonito, tão desconcertante, e que me tratava por Mel!!! Afinal não me tinha preparado para a reunião!!!

– Obrigada Dr. Bettencourt, é com muito gosto que aqui estou. – Disse o mais calmamente possível, enquanto me tentava recompor, esperando que ele não tivesse reparado na vermelhidão no meu rosto. Porra, mas porque é que eu fui corar?

– Trate-me por João – Disse enquanto me indicava o sofá branco de pele.

Sentei-me, o mais elegantemente que consegui e ele sentou-se ao meu lado e senti pela primeira vez o seu cheiro inebriante. Até hoje não sei se é perfume ou se é intrínseco daquela pele morena.

Sem entrar em mais detalhes, a reunião foi um fiasco, um fracasso, não disse nada, mas rigorosamente nada do que planeei, do que ensaiei. Gaguejei, corei, perdi o raciocínio vezes sem conta, senti-me uma liceal, tonta, infantil… E para terminar em beleza ainda tropecei no tapete e valeu-me os rápidos reflexos do Dr. Bettencourt, bem, do João, que me segurou nos seus braços.

Aqueles braços fortes, musculados, perfeitos! Borboletas na barriga, vocabulário nulo, rubor nas faces!

Estava perdida, não iria nunca conseguir aquele cliente, o pessoal do escritório iria ficar desapontado, alguns de nós iríamos certamente ser dispensados, não haveria forma de nos manter a todos!

Apanhei outro táxi e dei a morada de casa, não tinha coragem de os enfrentar, como iria responder a todas as perguntas. E não sei porquê chorei… A sério! Eu Melanie da Silva chorou… Era o princípio do fim, aquele homem tinha provocado em mim, no meu corpo, na minha mente algo que eu não pensei existir ou ser possível.

Insónias, sim, naquela noite tive insónias, naquela noite ele não me saiu da cabeça, o sorriso, os olhos verdes, a voz rouca, o cheiro, o toque da sua pele. Estava perdida, prisioneira de um homem!! Eu!!! A pessoa menos romântica do mundo, sonhou  com pôr-do-sol, jantares à luz das velas, em fazer amor em frente a uma lareira…

Apareci no dia seguinte no escritório de óculos escuros, cara fechada e de muito mau humor. Cheguei e todos se levantaram e de pé me aplaudiram. Eu que estava à beira da loucura, que os tinha deixado ficar mal a todos, eu que tinha fracassado na minha missão, estava a ser aplaudida. Mas porquê?

Pelas 8h da manhã um estafeta tinha entregue no escritório uma proposta de representação do Dr. João Bettencourt e um ramo de flores onde se destacavam girassóis, a minha flor favorita. A principal exigência do Dr. João era a que a Dr. Melanie da Silva fosse a única interlocutora directa com ele e em regime de total exclusividade.

Estava perdida, eu tinha-os salvo a todos, mas eu estava desgraçada, aquele homem só podia ser o meu carrasco.

Escusado será dizer que o contrato e todas as condições foram aceites, para o bem de todos…

Já passaram 3 anos e o que temia aconteceu, apaixonei-me forte e feio e ele é maravilhoso, sim eu e o João ainda estamos juntos. Sim, eu e o João fizemos as coisas mais românticas de sempre, aquelas dos filmes…

Para mim o amor chegou sem aviso, sem pré-aviso sequer, chegou mascarado.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s