Química

Agora, paradas a olhar para a vitrina, a coragem falhara. Já não tinha 20 anos, os cabelos brancos, apesar de escondidos pela tinta, não a deixavam esquecer que o tempo passara. E se ele a achasse louca? Afinal do que vinha ela à procura? Não o conhecia, não sabia nada dele, e até as feições já se confundiam no baú das recordações. Tinham ido até ali para quê?

Ali estavam elas, sentadas no carro a olhar para o outro lado da rua. Sentiam-se como duas adolescentes.

Amigas de sempre, tinham viajado mais de duzentos quilómetros e agora não conseguiam sair do carro.

Do outro lado lia-se em letras garrafais numa vitrina em tons de azul e amarelo “Clínica Veterinária João Abrantes”.  No carro não havia nenhum animal doente, só elas as duas, a sentirem-se loucas, com ar comprometido e em silencio. Olhavam uma para a outra, à procura da coisa certa para dizer, mas naquela altura já tudo tinha sido dito. Tinham tecido todo um mundo de possibilidades e hipóteses em conjunto, entre risadas cúmplices. Só faltava a coragem para avançar.

O riso descontrolado, tinha acabado juntamente com as piadas sobre a possibilidade de ele estar gordo e careca. Nem uma foto tinham conseguido encontrar na Net, apesar de terem vasculhado os sítios mais óbvios.

Só tinham excluído a possibilidade de ele ser casado porque ligaram previamente, a pedir para falar com a esposa e a resposta tinha sido : “ deve ser engano porque o dr. Abrantes não é casado!”.

Nem se lembravam de quem tinha sido a ideia de empreender tão alucinante saga.

Já era absurdo o suficiente a Maria ter-se lembrado dele passado 20 anos depois de o ter conhecido, (e visto pela ultima vez), e a Sofia ter apoiado a ideia de o reencontrar.

A ideia tinha-lhe surgido assim, do nada. Ou melhor, do nada não. Química. A culpa era da química. Calhara em conversa recentemente que numa relação amorosa a química era o mais importante. Ela, que sempre achara que o amor era o mais importante, ficou a pensar nisso da química.

Depois de uma retrospectiva ao passado afectivo procurou os homens por quem tinha sentido isso da química.

João fora o nome que lhe surgira de imediato, pois nunca tinha sentido nada assim, nem nunca mais voltara a sentir. Conhecera-o através de um amigo num bar. Mal cruzaram o olhar, a energia que os atravessava parecia quase palpável. Ela não conseguia explicar o fenómeno, nem deixar de olhar para ele apesar de o tentar fazer discretamente. O grupo à mesa era grande, a musica estava alta, era quase impossível manter uma conversa.

Naquela meia hora não falaram. Seguiram com os amigos para a discoteca e ali mantiveram-se afastados. Cada um com os seus.  A dada altura, ficaram tão próximos a dançar que era quase impossível não se tocarem. O inevitável aconteceu. Ficaram frente a frente quase encostados, e mal os olhares se cruzaram, saltaram para os braços um do outro e nunca mais se conseguiram largar. O primeiro beijo abalou-a de tal forma que deixou de sentir o chão debaixo dos pés, por dentro quase ouviu uma explosão, sentia-se uma represa que finalmente rebenta, deixando a agua jorrar, arrastando tudo à frente. À sua volta nada mais existia, ela, sempre tão tímida não se reconhecia neste comportamento despudorado.  Saíram juntos, e juntos ficaram até de manhã, altura em que cada um teve que seguir o seu rumo, ela estava na sua cidade de férias, e ele de passagem com os amigos numa “road trip”, de mota. Para ele era hora de continuar viagem.

Perceberam que tinham Lisboa em comum, ele estava a acabar o curso de veterinária, e ela tinha começado a trabalhar nessa cidade. Combinaram ver-se em Setembro. Ela deu-lhe o numero de telefone da nova casa onde morava e ficou nas nuvens o resto das férias à espera “do telefonema”.

Quando regressou a Lisboa, percebeu que se tinha enganado no numero! Nem queria acreditar! Por um dígito! Como fora capaz de cometer um erro tão parvo?! O que iria ele pensar? Será que pensou ter sido propositado?

O tempo passou, naquela altura não havia facebook, nem telemóveis, nem nada. Nunca mais se viram…

Mas com a conversa da química, vieram-lhe à memória aquelas horas juntos, aqueles beijos escaldantes, aquela vontade quase incontrolável de se fundir com ele para apagar o fogo que a consumia. Já não era nenhuma menina, sabia que a probabilidade de o encontrar descomprometido era pequena, e a de ele se lembrar e estar disposto a falar com ela ainda era menor…

Lembrava-se do nome dele. Lembrava-se da cidade onde morava. Lembrava-se que estava a estudar medicina Veterinária. Tentou a sorte, procurou através do Google e encontrou: “João Abrantes clínica veterinária”. Só podia ser ele.

Contou a história á sua amiga de sempre, a Sofia. Ela, aventureira destemida não foi de meias medidas. “temos que lá ir, tens que tirar isso a limpo.”

“Mas e se ele já nem se lembra de mim?”. No fundo ela não estava assim tão segura, e se tinha imaginado tudo? E se só ela se tinha sentido assim?

“Se o que contas é verdade, lembra com certeza.”

“Mas e se pensa que lhe dei o numero errado de propósito?” esse era o seu maior receio, ter sido mal interpretada.

“Nunca é tarde para esclarecer um erro.” Na verdade não tinha nada a perder. Bastava perder a vergonha e ir lá.

A Maria sabia que ao envolver a amiga nesta história, já não havia forma de voltar atrás. Qualquer que fosse a sua objecção, a amiga sedenta de aventuras, (mesmo que fossem aventuras alheias), arranjava sempre resposta.

Agora, paradas a olhar para a vitrina, a coragem falhara. Já não tinha 20 anos, os cabelos brancos, apesar de escondidos pela tinta, não a deixavam esquecer que o tempo passara. E se ele a achasse louca? Afinal do que vinha ela à procura? Não o conhecia, não sabia nada dele, e até as feições já se confundiam no baú das recordações. Tinham ido até ali para quê?

Não valia a pena prolongar mais o sofrimento, respirou fundo, olhou para a amiga que esbracejava a dizer-lhe vai, e saiu do carro.

Atravessou a estrada com passos apressados, parou em frente ao vidro espelhado da porta, ajeitou o cabelo, observou o perfil (ainda) elegante e entrou. Naquele instante decidiu que fosse qual fosse o resultado, já que a vida tem o seu quê de arrependimento, ao menos que esse arrependimento seja daquilo que fazemos, e nunca do que deixamos por fazer.

Anúncios

Publicado por

Natália

Sou uma pessoa inquieta, inconstante e sonhadora. Dizem-me que já tenho idade para ter juízo. Concordo. Por isso mesmo, decidi que vou fazer mais o que gosto, e menos o que os outros acham que devo. Adoro escrever e fotografar, e é nisso que quero dedicar parte do meu tempo. Quando finalmente ganhei coragem criei o blogue "Escrever Fotografar Sonhar", onde posso partilhar parte do que me faz feliz.

Um pensamento em “Química”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s