Até que a morte os una

Lembro-me ao detalhe, como se estivesse a revivê-lo, do momento em que prometi amar-te e ser-te fiel para o resto da vida, na saúde e na doença, até que a morte nos separasse. Lembro-me do nó que me magoava a garganta quando engoli em seco antes de, perante as nossas famílias e todas as pessoas que nos eram importantes, te mentir. Sorriste-me emocionado. Fechei os olhos para que não lesses nele a verdade.

Continuar a ler Até que a morte os una

Anúncios

O código

Faço aqui um aparte para dizer que sempre soube que eras mais bonita do que eu. Mais que bonita, exótica. Isso nunca me perturbou ou causou qualquer tipo de ciúmes. Quando andávamos juntas, a maioria dos rapazes olhava primeiro para ti, mas nunca foi problema, porque tínhamos gostos diferentes, personalidades diferentes, atributos diferentes. Além disso tínhamos o código.

Continuar a ler O código

Pai

Enquanto a minha mãe começava a acender todas as luzes da casa, a acordar-nos devagar com a preocupação na voz, o meu irmão ainda a deter-se com esta ideia de acordar, o meu pai estava estendido no chão de alcatrão da estrada onde eu também brinquei em pequena. O corpo gelado, a face branca em oposição à vermelhidão que sempre lhe conhecemos e os olhos muito abertos como se estivesse ainda a tentar ver as pequenas coisas que a vida não lhe tinha mostrado ou que mesmo ele tinha ocultado, tapando os olhos com as mãos secas de um trabalho que já detestava. Continuar a ler Pai

Tema para Novembro: “Lembro-me…”

O desafio para este mês vai mexer com as vossas recordações mais profundas.

Este mês, comecem os vossos textos por “Lembro-me” e deixem as vossas memórias fluir e ditar o rumo da vossa história.

O tema é simples, mas irá certamente originar textos fantásticos, aliás, como sempre.

Boas inspirações! 🙂

Dias de chuva

Arjun não se lembrava de quando ou como tinha começado a odiar os dias de chuva. Quando era criança, os dias de chuva eram tão bons como os soalheiros, com a particularidade de saltar em todas as poças de água como se estivesse a jogar à macaca, no regresso a casa após mais um dia de escola. Nesses tempos, os dias de chuva cheiravam como a sua cama quando a mãe acabava de a fazer de lavado.

Continuar a ler Dias de chuva

Fumo

I don’t want to bother you too much with what happened to me personally’, he began, showing in this remark the weakness of many tellers of tales that seem so often unaware of what their audience would best like to hear; ‘yet, to understand the effect of it on me you got to know how I got out there, what I saw, how I went up that river to the place where I first met the poor chap.” – Heart of Darkness, Joseph Conrad

Continuar a ler Fumo