Helena

Ela viu como o amor corrói o chão onde as mulheres assentam a vida, até ao dia em que a terra é subitamente levada e traz! Advogados de família – traz! Crianças despachadas em táxis – traz! Lágrimas.” Cantigas de Uma Noite de Verão, David Greig

É impressionante a dificuldade que Andreia sentia em decorar estas palavras. Caminhava às voltas no quarto, repetindo-as vezes sem conta, mas sem conseguir assimilá-las. Helena diria isto sem problema algum – afinal de contas, a personagem que Andreia levaria a palco era uma mulher independente e que queria mostrar essa independência ao mundo, e não importava se soava insensível ou não. Mas Andreia não era assim, e não conseguia ouvir estas palavras a sair da sua própria boca sem pensar que a vida é demasiado irónica e demasiado cruel. Porque lhe pareciam agora a mais pura das verdades regada com um sarcasmo que lhe partia o coração.

Ainda só tinham passado dois meses. A vontade de pisar as tábuas era nula, mas a vontade de fazer outra coisa qualquer era ainda menor e, mal por mal, sempre usava o seu talento e a sua paixão para ganhar uns trocos. Afinal, não havia agora a hipótese de dividir as contas com o Rui. Não havia hipótese de dividir fosse o que fosse, para ser sincera. E só agradecia ao destino por não terem tido filhos durante os 4 anos em que estiveram juntos. Não conseguia imaginar a dor que seria ter que dividir o seu amor com ele.

Ninguém percebeu o que aconteceu. Nem ela, nem ele. E quando Andreia reparou que algo estava mal, já ele estava pronto a magoá-la, de malas à porta, dizendo que “já não dá”. Mas como assim, já não dá? Não houve explicações. Só um adeus em surdina e um porquê que já nem foi ouvido. Uma indiferença gelada que não parecia de todo vir do mesmo homem que um dia lhe dissera que era para sempre.

E agora, ali estava ela, às voltas no quarto, fazendo-se passar por alguém que trata as separações com a leveza de uma ironia regada com onomatopeias cortantes, que aparentemente não dizem muito a Helena. É a beleza do teatro, afinal: podermos não ser nós por uns momentos. E assim Andreia começava a gelar, a aprender a lição de Helena: o coração é para ser protegido, não dividido.

Anúncios

Publicado por

Joana Sousa

Engenheira Civil de profissão, fotógrafa, actriz, decoradora, escritora, sonhadora de paixão. Autora do blog Jiji.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s