703

Será que alguém pensava nela? Será que alguém sequer reparava nela, pensava de onde vinha, para onde ia e o que fazia? Será que os outros faziam juízos de valor como ela também os fazia? Será que os passageiros do seu autocarro trocavam ocasionalmente um olhar a dado momento como quem diz “ela hoje também não veio”?

Continuar a ler 703

Anúncios

O Cartaz

Ao rever mentalmente, o tanto pelo qual se sentia grata, questionou o motivo pelo qual se estaria a questionar. Sabia que ninguém está feliz sempre, mas estar feliz e ser feliz são duas coisas muito distintas.

Continuar a ler O Cartaz

Vilcieni

Quero ir para casa, penso. Essa casa naquele país solarengo que pensei que não amava. Quero ir para casa. Chega. Não quero mais viagens. Não quero mais entradas em autocarros. Aviões. Comboios que me levam para longe. Sempre mais longe. Mesmo quando retorno. Estou longe. Quero ir para casa. Continuar a ler Vilcieni

Próxima Estação: NW10

Sento-me, como usual, numa das muitas cadeiras vazias que por enquanto ainda existem, enquanto o comboio percorre os recortes dos subúrbios Londrinos, parando em duas ou três estações antes de atingir Finchley Road, enquanto me abstraio do Mundo em que vivo e o troco por um mais feliz ou triste, dependendo do contexto literário do livro que trago comigo dentro da mala.

A cidade murmura por entre túneis subterrâneos, levando vida a cada estação, cruzando olhares e fazendo amores de um minuto.

Continuar a ler Próxima Estação: NW10

TEMA PARA JANEIRO: COMMUTE

Haverá palavra em português para “Commute”? Commute é a palavra dada, em inglês, para as deslocações frequentes casa – trabalho – casa.
Este mês, o desafio é narrar:

  1. uma história que tenha lugar durante a “commute” ou;
  2. uma reflexão vossa durante a vossa “commute“: em que pensam, o que fazem?…

Já sabem, qualquer dúvida: cpr.grupodeescrita@gmail.com

Surpresas de Natal

Acordou sobressaltada. Demorou uns segundos a perceber onde estava enquanto a campainha continuava a tocar. Levantou-se aos tropeções, enquanto murmurava alguns impropérios. Era Natal, quem é que toca à campainha às nove da manhã do dia de Natal? Quando alcançou a campainha já esta tinha parado. Resmungou novamente. Depois, ouviu o elevador. Queres ver que se enganaram a tocar? Percebeu de seguida que eram os dois elevadores. Acordei por causa de alguém que não sabe tocar à campainha… 

Continuar a ler Surpresas de Natal