Sentido de Natal

Nesta vida, já não tentava compreender tudo, que isso só lhe trazia angustia. Decidira aceitar que o mundo não era perfeito, mas que apesar disso podia sempre contribuir com algo para o melhorar para alguém, nem que no resultado final, só o seu coração se sentisse um pouco mais quente, por ter feito algo bom.

Continuar a ler Sentido de Natal

Anúncios

Surpresas de Natal

Acordou sobressaltada. Demorou uns segundos a perceber onde estava enquanto a campainha continuava a tocar. Levantou-se aos tropeções, enquanto murmurava alguns impropérios. Era Natal, quem é que toca à campainha às nove da manhã do dia de Natal? Quando alcançou a campainha já esta tinha parado. Resmungou novamente. Depois, ouviu o elevador. Queres ver que se enganaram a tocar? Percebeu de seguida que eram os dois elevadores. Acordei por causa de alguém que não sabe tocar à campainha… 

Continuar a ler Surpresas de Natal

Uma Aventura de Natal

Escadas acima, seguido pelos seus pais e entrando a correr pelo seu quarto, directo ao soldado de chumbo que tinha assente no parapeito da janela, uma última pista dizia:

– Senta na cama e fecha os olhos para que não possas ver a Magia do Natal para ti acontecer!

Continuar a ler Uma Aventura de Natal

Super-Homem

O médico olhou em volta. Junto à janela, numa mesa redonda, estavam expostas diversas molduras. Nalgumas viam-se dois bebés, mais tarde rapazinhos, noutras relatava-se o casamento da rapariga que abrira a porta. Mas, na sua maioria, a mesa era dominada pelo retrato de um senhor de olhos negros e profundos sulcos junto aos lábios, indubitavelmente o marido da senhora que se encontrava reclinada naquela cama.

Continuar a ler Super-Homem

O Natal e as crianças

Ana correu atrás da mãe, que se fechou no quarto. “Mãe?”, chamou, “estás bem? Eu gosto da tua comida”. Sem resposta do outro lado da porta, Ana voltou à sala e sentou-se no sofá, concentrando-se à vez na televisão e na intermitência das luzes da árvore de natal para não chorar. Continuar a ler O Natal e as crianças

Gustavs e a Magia da Aventura

Quando Gustavs abriu os olhos tudo era luz e cintilantes flocos de neves caiam na sua face. À sua frente uma enorme fábrica iluminada com cores vermelhas, amarelas, verdes e azuis, que mais parecia uma casa feita de biscoito, erguia-se.

Continuar a ler Gustavs e a Magia da Aventura