Ode à luz

Avançam, incólumes,

Olhos postos no objetivo.

Sem critério seletivo,

Esmagam a terra valida.

 

Comandados pelo ódio e o terror,

Proferem palavras de ordem febril,

Esmagam em toda a cidade o ardil,

Profanam por todo o lado o horror. Continue a ler “Ode à luz”

Órla

A jovem mulher a quem Niall chamava esposa era uma criatura estranha, tão bela como triste.[…] Os seus olhos eram de uma tristeza assombrosa e de uma profundidade que rivalizava apenas com a do próprio mar. Parecia sempre estar com a cabeça noutro lugar, bem longe dali, e sentir saudades de algo ou alguém que, claramente, não se encontrava lá. Nunca era vista a rir nem a sorrir por ninguém na aldeia. Órla questionava-se se o próprio Niall alguma vez a vira sorrir.

Continue a ler “Órla”