Abril 2017

Penumbra

Ainda não é meia-noite.
Não estamos perdidos na penumbra
que outrora consumiu
o dia.

Ainda há luz.
Espelha-se pelas árvores,
pelos animais nocturnos
que aparecem devagar
por entre a folhagem.

Vasculhamos por entre os ramos
Que o inverno estendeu pelo chão,
O pouco que resta de luz.

Com medo
A sombra afasta-se
Desalinha-se
Desconsertar-se

Ainda não estamos perdidos na penumbra.

Anúncios
Standard
Janeiro 2017

Vilcieni

Quero ir para casa, penso. Essa casa naquele país solarengo que pensei que não amava. Quero ir para casa. Chega. Não quero mais viagens. Não quero mais entradas em autocarros. Aviões. Comboios que me levam para longe. Sempre mais longe. Mesmo quando retorno. Estou longe. Quero ir para casa. Continuar a ler

Standard