La Belle Ferronière

Ela levantou-se para observar o resultado final, sabendo que não seria menos que extraordinário. Não se tinha enganado. Enquanto observava a pintura, o seu coração palpitava, num impulso segurou-lhe a mão para agradecer, beijou-a e encostou-a ao peito, num gesto que sabia provocador.

Continue a ler “La Belle Ferronière”

Órla

A jovem mulher a quem Niall chamava esposa era uma criatura estranha, tão bela como triste.[…] Os seus olhos eram de uma tristeza assombrosa e de uma profundidade que rivalizava apenas com a do próprio mar. Parecia sempre estar com a cabeça noutro lugar, bem longe dali, e sentir saudades de algo ou alguém que, claramente, não se encontrava lá. Nunca era vista a rir nem a sorrir por ninguém na aldeia. Órla questionava-se se o próprio Niall alguma vez a vira sorrir.

Continue a ler “Órla”

Próxima Estação: NW10

Sento-me, como usual, numa das muitas cadeiras vazias que por enquanto ainda existem, enquanto o comboio percorre os recortes dos subúrbios Londrinos, parando em duas ou três estações antes de atingir Finchley Road, enquanto me abstraio do Mundo em que vivo e o troco por um mais feliz ou triste, dependendo do contexto literário do livro que trago comigo dentro da mala.

A cidade murmura por entre túneis subterrâneos, levando vida a cada estação, cruzando olhares e fazendo amores de um minuto.

Continue a ler “Próxima Estação: NW10”

Lembranças de uma noite (in)feliz

Nessa noite, ouvimos os fados chorosos em Alfama e os gritos dos soldados que a noite calara no Largo do Carmo.

Durante aquela noite, os nossos corações  ficaram partidos devido aos segredos que tornam Lisboa numa cidade humanamente desumana.

E quando aquela noite terminou, as margens do Rio Tejo protagonizaram o mais belo amanhecer que poderíamos alguma vez presenciar, deixando-nos felizes por conhecer o desejo de terminar a infelicidade.

Continue a ler “Lembranças de uma noite (in)feliz”