Sem ar

Ouço-te respirar sofregamente,

o ar não te chega,

não tem lugar.

Escondes a tua dor,

e no silencio,

o monstro cresce,

sufoca-te devagar.

Procuro o teu olhar triste,

encontro incompreensão.

Se ao menos falasses…

Inquieto na noite longa,

procuras o descanso,

mas não o encontras.

Correm-me as lágrimas,

num caudal, sem igual.

Pois se ainda há dias brincavas!

E saltavas, e ronronavas,

Pois se ainda há dias gritei contigo,

como podes estar a definhar?

Como podes estar a sofrer,

como podes estar a morrer…

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s