A prece

Todos os dias ela sonhava à janela enquanto ele passava. Fato completo, colete e tudo. Todos os dias ela pedia ao Santinho um homem assim. Bonito, educado, responsável, de bem! Com certeza seria um marido amoroso, senão atentemos na lide com a menina. Que outro homem devotava tamanha atenção à sua filha? A sua senhora era uma mulher de sorte. Todos os dias rezava: “Assim, assim meu Santo Antoninho, é que eu queria um pretendente”.

Continuar a ler A prece

Anúncios

Desembarque

Pressinto agora que há muito que o coração destes, tal como o meu, reclama o quebrar do jugo tirânico que os oprime, o restabelecer da Ordem e o triunfo da Carta Constitucional. O fim desta guerra brotada de um trono para dois irmãos, mas que nos aparta a todos nós, que me apartou de ti.

Continuar a ler Desembarque

Glória dos Mares – O Amor ao compasso da maresia

O capitão foi ao mar por estes dias, a carne infectou-nos a todos num festim de mal estar e vómito. Mas não havia outra solução, era comer ou padecer. E não obstante tenhamos escolhido viver, atrevo afirmar que a divindade tem planos diferentes e que irá transformar o Glória dos Mares, numa sepultura imponente, uma carcaça fantasma.

Continuar a ler Glória dos Mares – O Amor ao compasso da maresia

Viver numa época que não a minha (felizmente!)

Tinha 5 anos quando fui vendida e vim parar a esta casa. Era uma criança inocente, mal eu sabia a vida de sacrifícios que iria ter. Pela janela do meu quarto, se é que se pode chamar quarto e principalmente janela, vejo os filhos dos meus patrões a correrem pelo jardim da casa e a inveja apodera-se de mim.

Continuar a ler Viver numa época que não a minha (felizmente!)

Princípio de um romance

Andei perdido pelas ruas, inebriado pelos movimentos do seu corpo, a tentar encontrar o momento certo e seguro para a abordar. Passei a ponte, escondi-me junto dos vendedores de ouro para que não me visse enquanto apreciava as montras, observei a senhora que a acompanhava para tentar desvendar quem seria aquela nobre e misteriosa dama.

Continuar a ler Princípio de um romance

Onde estás, Deus?

Porque o mal está nesta pobre coitada, nota-se logo, põe-lhe a menina dos olhos da cor da íris; tão escura, tão indecifrável. Diz-se até que pega nas coisas com a mão esquerda. Ora, toda a gente sabe que isso é sinal de demónio no corpo – já alguma vez viram o Diabo a fazer as coisas do lado direito?

Continuar a ler Onde estás, Deus?